Como funcionam as smart TVs

A mais recente onda de tecnologia disponível no mercado de aparelhos de televisão ganhou o nome de smart tv. A palavra inglesa smart significa inteligente. Apesar dessa nomenclatura, o apetrecho não antecipa qualquer comportamento do usuário, faz ajustes automáticos ou atua como uma inteligência artificial. Na prática, embora o aparelho possa ter uma série de funções dependendo do que o fabricante é capaz de apresentar, quando o termo é usado, a única certeza é de que o diferencial do item em relação aos outros é de que ele oferece a possibilidade de conexão com a Internet. Os demais acessórios oferecidos podem variar.

A smart tv nada mais é do que um aparelho híbrido, uma mistura de televisão e computador. O apetrecho tem acoplado em seu mecanismo, além das funções habituais de uma TV, um hd (hard drive) munido de um sistema operacional capaz de armazenar dados, programas e aplicativos que a faz funcionar como um PC (personal computer). Dessa forma, é possível assistir com alta qualidade e muitas vezes em telas imensas a vídeos no You Tube, ler postagens em redes sociais como (Facebook, Twitter e outras), acessar e-mails, baixar filmes de sites como o Netflix e verificar a previsão de tempo. Enfim, navegar pela rede mundial de computadores usando o controle remoto em vez do mouse.

TV depende de conexão sem fio com a Internet

Para que a TV funcione, no entanto, não basta apenas comprar o aparelho, plugá-lo à rede elétrica e apertar o botão de ligar. É necessário que o local onde o apetrecho ficará instalado tenha disponibilidade de conexão de Internet sem fio. E a ligação não pode ser de baixa velocidade, pois isso afetará diretamente na coleta das informações necessárias para a boa atuação dos aplicativos e programas disponibilizados pelos aparelhos. É recomendável que a conexão seja de, ao menos, 10 Mb para que os recursos, especialmente os de vídeo, tenham bom desempenho.

Os preços de aparelhos de TV com função smart são extremamente variados. Os mais baratos podem ser encontrados na faixa de R$ 1.000. Os mais caros podem chegar a custar R$ 100.000. Tudo vai depender do tamanho e de outras características apresentadas pelo aparelho (tipo da tela, se é em 2D ou 3D, plasma, LCD, se possui conversor para HD integrado, sistema multi view e outras tantas tecnologias disponíveis no mercado).

As TVs atuais que oferecem conexão com a Internet podem ser consideradas da terceira geração dessa tecnologia, pois dispensam o uso de qualquer aparelho extra para fazer a ligação. A primeira leva das smart tvs exigia o uso de um cabo (RJ 45) para concluir essa operação. A segunda geração dispensava o cabo, mas precisava de uma espécie de modem externo, que nem sempre era oferecido pelo fabricante. Era chamada de "Wi-Fi ready". Foi superada em 2013, quando esse aparelho passou a vir embutido.

Operação é feita através do controle remoto

A operação das TVs é feita através do controle remoto. E isso nem sempre é um procedimento fácil para os usuários, especialmente na hora da navegação pelos sites disponíveis na rede mundial de computadores. Na hora de fazer a digitação dos endereços, existe a necessidade de inserir letra por letra no teclado que é disponibilizado na tela. Alguns fabricantes apresentam a função Qwerty, de auto preenchimento, que por vezes pode facilitar essa operação. Outra opção para tentar agilizar o processo é conectar à TV o teclado do computador.

Praticamente todos os aparelhos possuem alguns aplicativos pré instalados. Um dos mais populares é o Skype, que permite fazer conexões de áudio e vídeo de forma gratuita. Muitas empresas também têm acordos com o fabricantes e disponibilizam aplicativos que facilitam a navegação através das smart tvs. Nesse caso, o aparelho funciona como se o proprietário estivesse utilizando um tablet. Basta ir clicando nos ícones até chegar ao conteúdo desejado. São sites de notícias, emissoras de televisão, empresas que fazem previsão de tempo, sites de mídias sociais, que permitem encomendar comida, ouvir música, jogar e muitos outros.

A presença desses itens e sua quantidade, no entanto, vai depender de cada marca e também do modelo da TV, uma vez que a capacidade de memória do aparelho interfere diretamente no número de aplicativos que podem ser disponibilizados. Alguns modelos permitem que aplicativos novos sejam baixados.

A cada nova geração de tecnologia no mercado de TVs inteligentes as diferenças entre as marcas têm diminuído e novos padrões têm sido estabelecidos. Isso facilita o uso dos aplicativos, que passam a servir para um número maior de pessoas. Praticamente todos os fabricantes possuem um link com conexão para uma loja de aplicativos. Alguns são pagos, outros gratuitos.